Maria Mendes nomeada para Grammy Latino

A cantora portuguesa Maria Mendes acaba de ser nomeada para um Grammy Latino na categoria de Melhor Arranjo Musical para a canção “Asas Fechadas”.

Os créditos de arranjos desse tema são repartidos por Maria Mendes e John Beasley, músico e orquestrador com uma carreira de mais de quatro décadas ligada a nomes tão diversos quanto os de Mikes Davis ou Diane Reeves e Steely Dan.

Asas Fechadas feat John Beasley & Metropolo Orkest

O tema em causa, tornado famoso como importante parte do reportório de Amália Rodrigues, é o único em língua portuguesa nomeado nesta categoria. Original de Alain Oulman e Luís Macedo, conta aqui com um arranjo da dupla Mendes / Beastley que é interpretado pela holandesa Metropole Orkest.

O processo criativo adoptado por Maria Mendes e o John Beasley implicou alterações na harmonia, melodia e ritmo originais do fado para que, e segundo a própria artista portuguesa, “uma sonoridade Jazz, majestosa e glamourosa ao estilo de uma cena de filme pudesse ser contemplada no novo arranjo para formação de orquestra de câmara”.

Maria Mendes, que está programada para a edição deste ano do Misty Fest, tem para a Primavera de 2021 planeada uma digressão de “Close To Me” no Benelux com a Metropole Orkest (vencedora de 4 Grammys) e John Beasley (vencedor de Emmy e nomeado ao Grammy). A dupla deverá igualmente, em 2021 e 2022, protagonizar uma digressão varias orquestras Europeias, incluindo uma data no Festival de Jazz de Matosinhos.

Misty Fest

A 19 de Novembro, em Las Vegas, serão então conhecidos os vencedores da presente edição dos Grammys Latinos. 

A cantora portuense lançou este ano um novo álbum, o seu terceiro, em que conta com o produtor e pianista americano John Beasley e com os préstimos da maior orquestra sinfónica de jazz do mundo, detentora de 3 Grammys, a Metropole Orkest.

Partindo de um reportório especial escolhido sobretudo entre alguns clássicos maiores de Amália Rodrigues (“Tudo Isto é Fado”, “Foi Deus”, “Asas Fechadas” ou “Barco Negro”), mas também de Carlos Paredes (“Movimento Perpétuo”, “Verdes Anos”) e ainda Mariza (“Há Uma Música do Povo”) ou Mafalda Arnauth (“E Se Não For Fado”), Maria Mendes juntou ao alinhamento um par de originais da sua lavra e uma canção que lhe foi oferecida por Hermeto Pascoal, verdadeiro gigante da música brasileira que um dia Miles Davis descreveu como “o músico mais impressionante do mundo”.

Será este o ponto principal da viagem que Maria Mendes assinará no Misty Fest, acompanhada de um trio que lidera com alma, estilo e saber, tal como fez no seu álbum. Maria Mendes não tem apenas visão, tem igualmente os mais calorosos elogios de grandes nomes da música, como Quincy Jones que no Festival de Jazz de Montreux exclamou: ““Vejo um futuro brilhante e promissor para esta jovem cantora”. A crítica europeia está de acordo e tem apontado Maria Mendes como uma das mais sólidas promessas musicais do nosso continente.

A cantora trará ao Misty uma ampla experiência recolhida nalguns dos mais prestigiados palcos do mundo, como o Blue Note Club de Nova Iorque ou o North Sea Jazz Festival, e promete aprofundar as ligações entre as duas culturas que a definem neste momento, a do jazz e a do fado.

Formação:

Maria Mendes – Voz
Karel Boehlee – piano
Jasper Somsen – Contrabaixo
Jas Van Hulten – Bateria